ZAPPIANDO

Posts marcados ‘laços de família’

SEM MANI(E)QUEÍSMOS, ELE RETRATA O COTIDIANO E NOSSA ALMA

*Pelo Convidado Thiago Henrick (TH)

Muito se fala da obra de Manoel Carlos. Tecem comentários tanto elogiosos como críticos. Amam, odeiam. Dizem que só escreve para as mulheres, que perdeu o ritmo e o viço. Também costumam atribuir-lhe os melhores diálogos da teledramaturgia brasileira.

O aniversariante de hoje tem mesmo esse dom de poucos que é o de dividir opiniões. Faço-me presente no grupo dos admiradores – não cético, que fique bem claro. Sou fã condicional e faço questão de ser o primeiro a apontar os erros do meu ídolo. Mas não economizo mesmo latim para apontar em que pontos o acho incompreendido.

 

Em Por Amor, Helena trocava os bebês.

Acredito que o ponto máximo de seu talento é o retrato. Não só de lugares (Leblon, Teresópolis), ou do cotidiano, como se costuma lembrar. O retrato mais fiel que preconiza é o da alma humana. Fazer seus personagens viverem dramas, dilemas e situações absurdamente próximas da realidade. Em suas tramas, nunca é a ação que conduz os personagens, mas o inverso, justamente por ser assim na vida de tantas pessoas: o rumo que se toma depende dos “personagens” que encontramos no decorrer de nossa saga. Pessoas de senso mais prático não vêem com bons olhos atitudes quase insensatas e extremas de uma mãe que troca seu filho vivo pelo morto da filha na maternidade ou da que trai o homem que ama em troca de uma esperança pra salvar uma filha doente. Os dramas humanos sempre foram registrado do ponto de vista da sensibilidade e ele o faz com maestria!

 

Susana Vieira como Branca Letícia, em Por Amor.

Nas suas tramas, as vilanias são oriundas do comportamento humano. Não há maniqueísmo ou vilãs com gargalhadas de bruxa, “más sem motivo”. A gente consegue fundamentar atos de Branca Letícia de Barros Mota (Por Amor), ou de Alma Flora Pirajá de Albuquerque (Laços de Família) – mulheres fortes que tomam atitudes movidas por amor. De igual forma, suas mocinhas também não são princesas sem defeitos, muito pelo contrário! Suas Helenas são mulheres comuns, cheias de defeitos e que não negam isso em seus atos. Quem não torceu e massacrou ao mesmo tempo suas protagonistas? Quem não condenou e entendeu na mesma intensidade seus atos extremos e humanos? Só quem nunca amou…

Esse é outro tema recorrente das tramas de Maneco – o amor e suas mais variadas formas de manifestação. Sempre se vê um painel de grandes personagens que amam e sofrem as dores e delícias desse mal/bem. O amor aparece até nas formas menos óbvias – como no caso de Santana (Vera Holtz, em “Mulheres Apaixonadas”), apaixonada pelo álcool, diante de toda sem-graceza por qual sua vida rumou…ratifica com sucesso toda sensibilidade que nosso aniversariante deposita nas laudas que discorre. E é esse amor que faz com que a gente identifique traços psicológicos bem parecidos entre seus personagens. Helena e Plínio (Lilian Lemmertz e Fernando Torres), casal mal humorado e humano de “Baila Comigo”, são os ancestrais de Orestes e Lídia (Paulo José e Regina Braga, de “Por Amor), e por aí vai…imperfeitos e queridos!

 

Lilia Cabral será a próxima Helena.

E o futuro? Falam de uma nova novela, com Lília Cabral no papel de Helena (uma das atrizes que mais sabem dizer o texto de Maneco, assim como Tony Ramos). Particularmente, eu preferia o tão sonhado remake da novela “A Sucessora”, trama que sempre tive curiosidade de acompanhar e não o fiz por motivos de idade. Concordo com as críticas desenfreadas à falta de ritmo que imperou “Viver a Vida”, e não gostaria que isso acontecesse numa possível nova trama inédita!Mas não importa o que venha…como fiel e leal escudeiro, não abandonarei meu ídolo na forma que escolher para, como ele mesmo já declarou,  encerrar sua carreira!

 

 

A primeira Helena.

P.S.: A pergunta óbvia…qual minha Helena favorita? Fico entre a de Lilian Lemmertz (Baila Comigo) e a primeira de Regina Duarte (História de Amor). Simples, pouco sofisticadas, humanas e intensas!

 

Veja abaixo as atrizes que viveram as Helenas, do autor:

 

Da esq. para dir., Regina Duarte, Maitê Proença, Christiane Torloni, Vera Fischer, Taís Araujo e Lilian Lemmertz.

 

 

*Thiago Henrick, ou simplesmente TH, é um advogado com alma de Jornalista. Alagoano, recém-chegado a São Paulo com a cara e com a coragem, é um apaixonado por Telenovelas e por músicas, prova disso é o seu excelente Blog, EnTHulho Musical. Como deu para perceber, seu autor preferido é Manoel Carlos, esta é uma das coisas que temos em comum. Siga o TH no twitter.com/henrickmcz

A TRAJETÓRIA DE ALEXANDRE BORGES: DO SÉRIO AO CÔMICO DE UMA NOVELA PARA OUTRA

Mocinho, vilão, sério ou engraçado. Alexandre Borges consegue ir do drama à comédia de um personagem para outro.

 

Em Guerras Sem Fim, na Manchete.

Natural de Santos (SP), o ator fez sua primeira novela, “Guerra sem fim”, em 1993, na extinta TV Manchete, onde conheceu sua esposa, a atriz Júlia Lemmertz. No ano seguinte, ele já fazia parte do elenco da Rede Globo. Relembramos a trajetória do ator:

 

Estreando na Globo, em Incidentes em Antares.

Sua estreia na Globo foi em 1994, na minissérie “Incidentes em Antares”, fazendo uma participação como o padre Pedro Paulo.

Em 1995, ele atuou na minissérie “Engraçadinha”, como Luís Cláudio. Seu bom desempenho lhe rendeu um convite do autor Sílvio de Abreu para interpretar o mau-caráter Bruno, em “A Próxima Vítima”, no mesmo ano.

Na minissérie Engraçadinha.

Em 1996, Alexandre protagonizou sua primeira novela, “Quem é Você?”. Seu personagem, Afonso, vivia um triângulo amoroso com as irmãs Maria Luíza (Elisabeth Savalla) e Beatriz (Cássia Kiss).

 

Com Fernanda Montenegro, em Zazá.

No ano seguinte, ele era Solano Dumont, um dos sete filhos da protagonista-título de “Zazá”, personagem de Fernanda Montenegro, na novela de Lauro César Muniz.

 

No remake de Pecado Capital.

Em 1998, Glória Perez escreveu o remake de “Pecado Capital”, original de Janete Clair. E Alexandre Borges deu vida ao criativo publicitário Nélio Porto Rico. Na trama, ele engatou um romance com Vilminha Lisboa (Paloma Duarte).

Em 1999, estava no ar o seriado “Mulher”, protagonizado por Eva Wilma e Patrícia Pillar. Alexandre interpretou o doutor João Pedro, médico no hospital onde as protagonistas trabalhavam.

 

Como Dom Guilherme, na minissérie A Muralha

No início de 2000, a minissérie “A Muralha” comemorava os 500 do descobrimento do Brasil. Na obra de Maria Adelaide Amaral, Alexandre era Dom Guilherme, apaixonado pela sofredora Dona Ana (Letícia Sabatella).

Em meados do mesmo ano, o ator interpretou um personagem completamente diferente de Dom Guilherme, o ‘boa vida’ Danilo Albuquerque, na novela “Laços de Família”, de Manoel Carlos. Casado com Alma (Marieta Severo), Danilo teve um caso com a empregada, Ritinha (Juliana Paes), e acabou a engravidando.

Reveja uma cena de Alexandre, em Laços de Família.


 

Com Cláudia Raia, em As Filhas da Mãe.

Em 2001, Alexandre voltou a trabalhar com Sílvio de Abreu, em “As Filhas da Mãe”, como Leonardo Brandão. Na história, Leonardo acaba se apaixonando pela transexual Ramona, personagem de Cláudia Raia.

 

Em O Beijo do Vampiro.

Em 2002, a “vampiromania” estava no ar na Rede Globo, e Alexandre Borges não foi poupado. No folhetim “O Beijo do Vampiro”, de Antonio Calmon, ele viveu Rodrigo, o mocinho que vira vilão, vítima do maligno “anel do poder”.

 

Em Celebridade, o ator viveu Cristiano Reis.

No ano seguinte, o ator estava de volta ao horário nobre, e deu o ponto certo ao drama do jornalista Cristiano Reis, seu personagem em “Celebridade”, de Gilberto Braga. Cristiano era viúvo e se entregou a bebida por não suportar a morte de sua mulher. Com a ajuda de seu filho Zeca (Bruno Abrahão) e da vizinha Noêmia (Julia Lemmertz), ele conseguiu largar o vício e reconstruir sua vida, ao lado dos dois.

Em Belíssima, com Camila Pitanga.

“Belíssima” entrou no ar no final de 2005 e Alexandre empresário Alberto Sabatini. O esperto empresário fazia de tudo para conquistar sua empregada doméstica, Mônica, vivida por Camila Pitanga. Mas, quando conseguiu se casar com ela, começou a traí-la com várias mulheres.

 

Na minissérie Amazonia.

Já em 2007, Alexandre participou da primeira fase da minissérie “Amazonia – de Galvez a Chico Mendes”, interpretando um personagem real, doutor Plácido de Castro.

 

Com Letícia Sabatella, em Desejo Proibido.

No final do mesmo ano, ele voltou a fazer par com Letícia Sabatella, na novela “Desejo Proíbido”, de Walter Negrão. Seu personagem, doutor Escobar, se envolve com a paciente Ana, papel de Letícia.

 

Em Caminho das Índias, Alexandre viveu o complexo Raul Cadore.

A dobradinha se repetiu mais uma vez no trabalho seguinte de Alexandre. Em “Caminho das Índias”, de 2009, ele viveu o empresário Raul Cadore, um homem insatisfeito com a vida que leva, e resolve simular a própria morte, ao lado da amante Yvone (Letícia Sabatella). Porém, ela só quer saber de sua fortuna e o deixa pobre, em Dubai.

 

Atualmente, em Ti Ti Ti.

Atualmente, Alexandre pode ser visto como o engraçado costureiro Jacques Leclair, no remake de “Ti Ti Ti”, já em sua reta final. No folhetim adaptado por Maria Adelaide Amaral, Jacques, que na verdade se chama André Spina, vive em constante disputa com seu inimigo de infância, Ariclenes (Murilo Benício). O ator protagoniza cenas hilárias, principalmente, ao lado de Murilo Benício, Cláudia Raia e Juliana Alves.

 

Em Um Copo de Cólera, com sua esposa, a atriz Júlia lemmertz.

Com vários personagens marcantes no currículo, Alexandre Borges é um dos grandes nomes da Teledramaturgia Brasileira. Além de atuar em novelas e minisséries, o ator coleciona grandes papéis também no Teatro e no Cinema, como no filme “Um Copo de Cólera”.

Ainda na Televisão, ele atuou ao lado de sua esposa Júlia, como o protagonista do seriado “Joana e Marcelo”, no Multishow.

Júlia é uma das atrizes das quais Alexandre mais contracenou. Cláudia Raia e Letícia Sabatella também figuram esta lista.

Alexandre sempre traz bons personagens. OS que não são tão bons, ele o torna bom.

Fotos: Divulgação

Vídeo: Youtube

RELEMBRE A REPRISE DE LAÇOS DE FAMÍLIA

Em 28 de fevereiro de 2005, entrava em cartaz no “Vale a Pena Ver de Novo” a novela “Laços de Família”, de Manoel Carlos.

A reprise ficou no ar até 23 de setembro do mesmo ano, e foi exibida em 150 capítulos apenas 59 a menos do que o original.

Nesta época, durante a reexibição, foi lançado o cd “O Melhor de Laços de Família”, em que reunia as principais músicas das trilhas nacional e internacional.

Assim como a exibição original, em 2000, a reprise também foi um sucesso. Chegou a ter picos de 35 pontos.

As antecessoras da sessão, Terra Nostra e Deus nos Acuda, não obtiveram o mesmo êxito.

Reveja a chamada de estreia de “Laços de Família” no Vale a Pena Ver de Novo.

Clique aqui e leia mais sobre a novela.

Foto e Vídeo: Divulgação

@diniz_paulinho

E todo mundo parou para ver Laços de Família…

“Muita calma pra pensar. E ter tempo pra sonhar. Da janela vê-se o Corcovado. O Redentor, que lindo!”

Os versos de “Corcovado”, nas vozes de Astrud GIlberto, Tom Jobim, João Gilberto e Stan Getz, embalaram por oito meses a abertura de “Laços de Família”, que chegava ao fim no dia 02 de fevereiro de 2001.

A cena em que Camila teve seus cabelos raspados.

O público respirava aliviado ao ver que o transplante de medula óssea da pequena Vitória para sua irmã Camila (Carolina Dieckmann) havia sido bem-sucedido e a moça que chorou baldes por vários capítulos, por ter leucemia, enfim voltaria a sorrir.

O capítulo ainda reservou bons finais felizes. Depois de tantos desencontros, a protagonista Helena (Vera Fischer – ainda linda) conseguiu ficar com o sempre paciente Miguel (Tony Ramos). A espivitada Íris (Déborah Secco), que em muitas de suas ações beirava a vilania, mostrou que sua insistência foi eficaz e conseguiu laçar e domar seu amado peão Pedro (José Mayer). A ex-garota de programa Capitu (Giovanna Antonelli – brilhante no papel) também teve seu final feliz ao lado de seu amor de adolescência Fred (Luigi Bariccelli). E a tia superprotetora de Edu (Reynaldo Giannechinni – em sua estreia) e Stela (Júlia Almeida), Alma Flora Pirajar de Albuquerque (Marieta Severo – em sua última novela antes de encarnar de vez a Dona Nenê) perdoou a traição do marido Danilo (Alexandre Borges) com a empregada e ao lado dele criou os gêmeos batizando-os com os nomes de seus pais, Álvaro e Margarida.

Numa passagem de 5 anos, na festa de aniversário de Vitória, ficou claro que Camila estava curada e vivendo feliz ao lado de Edu.

Helena (Vera Fischer) e Miguel (Tony Ramos) em cena do último capítulo.

Laços de Família. Nesta Manoel Carlos caprichou. Fez um novelão, com gosto de novela e gosto de se ver novela. E a audiência respondeu. Nos jornais, nas revistas, na internet e principalmente na boca do povo, sempre foi assunto. Repercutindo e gerando polêmica.

O mesmo público que odiou Camila por ela ter roubado o namorado da mãe, foi o público que chorou com ela enquanto seus cabelos eram raspados ao som de Love by Grace. A música foi uma das mais executadas nas rádios naquela época e ainda hoje quando tocada remete à dor de Camila.

Mas, ao longo dos meses de sua exibição, Laços chegou a ter até problemas com o Ministério Público e com a Igreja. Foi reclassificada e também teve alguns de seus atores menores de idade impedidos de aparecer no ar. E a cena do casamento de Edu e Camila não pode ser realizado em uma igreja verdadeira, tendo que ser gravado em uma capela cenográfica.

E todo mundo parou para ver Laços de Família. Foi sucesso absoluto em 209 capítulos.

 

 

Fotos: Divulgação

@diniz_paulinho

 

Nuvem de tags