ZAPPIANDO

Posts marcados ‘o cravo e a rosa’

NO DIA DE SÃO JOÃO, RELEMBRE OS CAIPIRAS DA FICÇÃO

Nesta época do ano, por conta das festividades juninas de Santo Antonio, São João, São Pedro e São Paulo, os arraiás são bem propícios. Além das quadrilhas, fogueiras e comidas típicas, encontramos muita gente vestida a caráter da festa na roça e ensaiando um sotaque caipirês – sempre bem divertido.

Por conta disso e aproveitando que nesta sexta (24) é dia de São João, o Santo que mais representa as festas juninas, relembramos alguns caipiras da ficção, que fizeram graça com o sotaque. A maioria deles são personagens de novelas do autor Walcyr Carrasco.

Petrucchio (Eduardo Moscóvis) chamava Catarina (Adriana Esteves) de favo de mel.

Em “O Cravo e a Rosa” (2000), Eduardo Moscóvis dava vida ao fazendeiro Julião Petrúcchio. O caipira vivia às farpas com sua amada Catarina (Adriana Esteves), que o chamava de “grosseirão”.

Nélio (Vladimir Britcha) fazia a alegria das mulheres em "Coração de Estudante".

Em “Coração de Estudante” (2002), na fictícia Nova Aliança, o peão Nélio (Vladimir Britcha) carregava em seu sotaque para dizer que era “um bjeto sexual”.

A 'chique' Márcia (Drica Moraes) e seu primo Timóteo (Marcelo Novaes), em Chocolate com Pimenta.

A caipira mais chique de todas estava em “Chocolate com Pimenta” (2003). Márcia (Drica Moraes) era ‘dona e proprietária de um salão de beleza’ e vivia às turras com o primo Timóteo (Marcelo Novaes), mas adorava a sua família caipira. Vivia repetindo que ela era “chique benhê”.

Vanessa Giácomo com Daniel Oliveira, em Cabocla.

Na mesma novela, Tony Ramos vivia o Coronel Boanerges.

Lá pras bandas de Vila da Mata, vivia a doce caboclinha Zuca (Vanessa Giácomo). A moça tímida conquistou o coração do doutorzinho Luís Jerônimo (Daniel Oliveira). O casal era protagonista da novela “Cabocla” (2004). Na mesma novela, Tony Ramos dava vida ao Coronel Boanerges.

Em Alma Gêmea, Crispim espantava os pretendentes de sua irmã, Mirna.

Em “Alma Gêmea”, a caipirinha Mirna (Fernanda Souza) sonhava em arrumar um marido. Passava horas confidenciando com sua pata Doralice. A moça vivia com o irmão ciumento Crispim (Emílio Orciolo Neto) e com seu tio Nardo (Emiliano Queiróz).

Ricardo Tozzi como o primo Cândido, em Pé Na Jaca.

Já em “Pé Na Jaca”, Ricardo Tozzi dava vida ao divertido  Cândido, que aprontava poucas e boas na fictícia Deus Me Livre.

Abner com sua família e vizinhos em Morde e Assopra

Atualmente, no horário das sete Global, o caipirês também dá expediente. Em “Morde e Assopra”, a família do protagonista Abner (Marcos Pasquim) e seus vizinhos usam e abusam do sotaque.

Fotos: Divulgação

Siga o Zappiando no twitter.com/Blog_Zappiando. Curta a nossa página no Facebook.

Anúncios

São Paulo 457 anos: Relembre algumas tramas ambientadas na cidade

Nesta terça (25), a cidade de São Paulo completa 457 anos.  Além de ser uma das principais cidades do mundo e a que acolhe pessoas de toda parte do Brasil e do mundo, a capital paulista é também cenário de muitas novelas e minisséries.

Autores como Sílvio de Abreu, Walcyr Carrasco e Maria Adelaide Amaral sempre ambientam suas tramas na terra da garoa.

Relembre algumas:

A Próxima Vítima (1995): Entre os bairros do Morumbi e do Bexiga, uma parada no Mercadão Municipal, onde estava localizada a Banca do Juca, personagem de Tony Ramos.

O Cravo e a Rosa (2000): As confusões de Catarina (Adriana Esteves) e Petrucchio (Eduardo Moscóvis) se passava na São Paulo da década de 1920.

Um Só Coração (2004): A minissérie foi uma homenagem pelos 450 anos da cidade e se passa entre os anos 1920 e 1950, retratando importantes personagens reais como Yolanda Penteado, Cicillo Matarazzo, Santos Dumont, Assis Chateaubriand, Anita Malfati, Mario de Andrade, Oswald de Andrade, Pagu e Tarsíla do Amaral. Momentos importantes da história do Brasil como a Semana de Arte de 1922 também foram reproduzidos.

Sete Pecados (2007) e Caras e Bocas (2009): Ambas as novelas de autoria de Walcyr Carrasco se passavam em São Paulo, mas não exploravam muito os bairros da capital paulista.

Ciranda de Pedra (2008): Um dos núcleos da novela circulava pelo bairro da Vila Mariana, no final dos anos 1950.

 

A Favorita (2008): Em sua estreia no horário nobre, João Emanuel Carneiro escolheu a cidade para ambientar o conflito entre Flora (Patrícia Pillar) e Donatella (Cláudia Raia).

Tempos Modernos (2010): Um espigão e a Galeria do Rock ambientados na Avenida São João, na região central da cidade, eram os cenários principais da trama.

Passione (2010): Como tradicionalmente as novelas de Sílvio de Abreu se passam em São Paulo, em seu mais recente trabalho isto não foi diferente.  Alguns pontos como o mercado hortfruti Ceagesp eram mostrados na história, lá trabalhava a feirante Candê (Vera Holtz). A trama contava ainda com a perua Clô (Irene Ravache) que queria ser chique e morar no Jardim América, bairro de classe média alta da cidade.

 

Ti Ti Ti (2010): A guerra das tesouras entre Jaques Leclair (Alexandre Borges) e Victor Valentim ( Murilo Benício) transita pela metrópole e cita e mostra alguns de seus pontos como os bairros do Tatuapé e Belenzinho e a rua Anália Franco. Em uma das cenas, a personagem Jaqueline (Cláudia Raia) ameaçava se jogar do Viaduto do Chá.

Fotos: Divulgação

Nuvem de tags