ZAPPIANDO

Posts marcados ‘telenovelas’

OS AMIGOS QUE NOS DIVERTEM NA FICÇÃO

Nessa quarta (20) foi comemorado o “Dia do Amigo”. Se dermos uma “zappiada” pela atual programação da TV, vamos encontrar vários ‘best friends’. A maioria deles tem nos divertido bastante.

Em “Tapas e Beijos“, Sueli (Andréa Beltrão) e Fátima (Fernanda Torres) são carne e unha e apesar do título da série, vivem mais aos beijos do que aos tapas. Na verdade, os tapas e beijos em questão são com seus respectivos namorados. As amigas, que moram e trabalham juntas, são praticamente irmãs.

Há algumas semanas, surgiram no “Zorra Total” duas amigas que têm divertido o público. Janete (Thalita Carauta) e sua ‘best friend’ Valéria (Rodrigo Sant’anna). Valéria, que era Valdemar, surripia os pretendentes que ‘bulinam’ sua amiga e virando os olhos diz: ‘Ai, como eu sou bandida!’

Divã” já se despediu da telinha. Mas, a protagonista, Mercedes, vivida por Lilia Cabral, também tinha uma grande amiga, a quem desabafava seus dilemas e desventuras. Era Tânia (Totia Meirelles). Porém, nem tudo eram flores, às vezes as amigas trocavam farpas, mas a amizade sempre prevalecia.

Assim como “Divã”, “Macho Man” também já saiu do ar. Na série, o ex-gay Zuzu (Jorge Fernando) e a ex-gorda Valéria (Marisa Orth) viviam em confusão para tentarem desencalharem em suas novas condições, ele de hétero e ela de magra.

Na novela “Morde e Assopra“, os ex-noivos se tornaram grandes amigos. Celeste (Vanessa Giácomo) e Áureo (André Gonçalves) vivem para cima e para baixo pelas ruas de Preciosa.

Ainda na novela das sete, Júlia (Adriana Esteves) e Ícaro (Mateus Solano) também são grandes confidentes um do outro.

Vídeos: Youtube

Siga o Zappiando no twitter.com/Blog_Zappiando. Curta a nossa página no Facebook.

Anúncios

NILSON COMENTA “FERA FERIDA”

*Por Nilson Xavier

Em 1993 Aguinaldo Silva nos brindou com uma de suas melhores novelas: Fera Ferida, escrita com Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares. É uma das minha preferidas do autor. Seu universo ficcional regionalista estava todo lá, assim como o realismo fantástico, herdado de Dias Gomes. Tão herdado que Rubra Rosa e Demóstenes (Susana Veira e José Wilker) ateavam fogo na cama nas cenas calientes tal qual as personagens de Sonia Braga e Juca de Oliveira em Saramandaia, de Dias.

Raimundo Flamel, o protagonista, transformava ossos humanos em ouro. Teve até chuva dourada! Doses de nonsense e poesia se misturavam a personagens incríveis baseados na obra do escritor Lima Barreto e muito bem interpretados por um elenco afiado e dirigidos com competência pela equipe de Denis Carvalho.

Mas o grande destaque, e que deixou saudades, foi a personagem vivida por Cássia Kiss. Era impossível não amar Ilka Tibiriçá, uma solteirona amalucada que apaixonava-se por Ataliba Timbó (de Paulo Gorgulho), mas que, para consumar a relação, precisava resolver o problema de impotência dele com receitas exóticas da mais sofisticada culinária. Receitas estas que eram apresentadas ao público como em um programa de culinária. Para completar, a paixão de Ilka pelo universo sessentista do filme “O Candelabro Italiano” ao som da bela canção “Al Di La”.

“Al di la del bene piu prezioso,
Ci sei tu…”

* Nilson Xavier é criador do site Teledramaturgia e autor do livro “Almanaque da Telenovela Brasileira”. Recentemente lançou também o Blog Noveludo.

Esta coluna é publicada todos os finais de semana no Zappiando.

Siga o Zappiando no twitter.com/Blog_Zappiando. Curta a nossa página no Facebook.

O 1º CAPÍTULO DE “O ASTRO”

Depois de uma grande campanha de lançamento, que causou uma grande expectativa no público e na imprensa, “O Astro”, enfim estreou nessa terça (12).

Em um bloco único, sem intervalo, o primeiro capítulo prendeu a atenção, que mal se viu passar os 35 minutos de sua duração.

Com uma narrativa ágil, com mais ações do que diálogos, o capítulo deu o ponta-pé inicial da história, contextualizando bem com os fatos que a entrelaçam, mostrando vários acontecimentos importantes.

Pouco a pouco, os personagens foram apresentados, naturalmente.

Texto rico, direção segura e elenco bem escalado e bem a vontade. Valeu a pena esperar pela “novela das onze”.

Se você perdeu o capítulo, confira nos vídeos abaixo:

Vídeos: Youtube/fabiocabelereiro

Siga o Zappiando no twitter.com/Blog_Zappiando. Curta a nossa página no Facebook.

“O ASTRO”: O AUTOR ALCIDES NOGUEIRA FALA COM EXCLUSIVIDADE AO ZAPPIANDO

Nesta terça (12), é dia de estreia na Rede Globo. Entra no ar a ‘novela das onze’ “O Astro“.

Baseada na obra de Janete Clair, uma novela que fez grande sucesso nos anos 70, a nova versão causa grande expectativa na emissora e no público.

Às vésperas da estreia, o autor Alcides Nogueira, que assina o folhetim com Geraldo Carneiro, fala com exclusividade ao Zappiando.

“É um trabalho que vendo feito com muito carinho, com muita garra, com muita vontade de acertar”, disse ele.

A primeira versão foi responsável por um dos “quem matou?” mais famosos da Teledramaturgia Brasileira. Naquela época, o público queria saber ‘quem matou Salomão Hayalla?’.  Perguntado sobre o feito para a nova versão e quem poderia ser o possível assassino, Alcides despista: “Isso é segredo de estado!”

Leia a seguir a entrevista na íntegra.

Como surgiu o convite para inaugurar o projeto? De onde partiu a ideia de ser o remake de “O Astro”? Havia outra novela cogitada?
Não se trata de um remake, mas de uma nova versão, já que houve várias alterações, a começar pelo formato. Não é uma novela, mas uma série. O pai do projeto foi o Roberto Talma. Ele convidou Geraldo Carneiro e eu para sermos os autores de o novo “O Astro”, e Mauro Mendonça Filho para ser o diretor-geral. Não havia outra novela cogitada. Foi o Talma quem “vendeu” o projeto para a emissora.

– Qual é a responsabilidade de inaugurar o projeto?
Uma responsabilidade muito grande. Mas também um desafio estimulante. “O Astro”, além de celebrar os sessenta anos da teledramaturgia brasileira e de ser uma homenagem a Janete Clair, é também a ponta de lança de um novo formato e de um novo horário para se contar histórias.

Sobre a obra, o que será diferente da trama original? Você inseriu e/ou cortou personagens?
Geraldo Carneiro e eu atualizamos as tramas de Janete. Como tenho dito sempre, os pilares da história serão mantidos, mas cortamos personagens, inserimos outros, mudamos alguns núcleos. Afinal, a versão original tinha 180 capítulos, e a nossa, 60.

Na 1ª versão, o “quem matou?” foi um dos mais famosos da Televisão Brasileira. Você manterá o assassino original ou o público pode esperar surpresas e arriscar um novo bolão?
Ah, isso é segredo de estado. Janete foi a primeira autora a explorar com maestria esse expediente teledramatúrgico. Ele vem sendo bastante usado desde então, e sempre provoca emoções. Vamos tentar manter o mesmo clima. Façam seus bolões de apostas!

Após “O Astro”, o público pode esperar por outras novelas no horário ou esta será a unica?
A proposta é que seja um novo horário para a teledramaturgia. Mais ou menos como eram as antigas novelas das dez. Só que, agora, com um formato diferente, mais próximo das séries e minisséries. Isso é ótimo, pois o folhetim televisivo é uma instituição aqui no Brasil.

Você conta em sua equipe, com dois novos talentos como colaboradores. Como está sendo trabalhar com o Vitor de Oliveira e com o Tarcísio Lara Puiati. O que você tem a dizer sobre eles?
Geraldo e eu estamos encantados com Vitor e Tarcísio, dois jovens talentos, extrema-mente promissores. São inteligentes, criativos, éticos, companheiros… e gostam da tele-visão, dessa linguagem que é única.

E por fim, a sua expectativa para este novo trabalho?
Toda a equipe torce para que dê certo, pois é um trabalho que vendo feito com muito carinho, com muita garra, com muita vontade de acertar.

Veja o vídeo com a prévia da novela, divulgado pela emissora.

Foto e Vídeo: Divulgação/Youtube

Siga o Zappiando no twitter.com/Blog_Zappiando. Curta a nossa página no Facebook.

NILSON COMENTA “CAVALO AMARELO”

*Por Nilson Xavier 

Em 1983 a Band (que na época se chamava TV Bandeirantes) reprisou pelas manhãs a novela “Cavalo Amarelo”, que Ivani Ribeiro escreveu para a emissora em 1980. A trama, quase simplista, era folhetinesca: um segredo e uma paternidade desconhecida eram os grandes mistérios. Mas a novela é lembrada pelo teor humorístico por conta da presença hilariante de Dercy Gonçalves, que vivia a tresloucada Dulcinéia, dona de um show de teatro rebolado que estava na iminência de perder seu ganha-pão por conta de alugueis atrasados do teatro onde se apresentava.

Para resolver o problema, Dulcinéia se faz valer de um segredo “cabeludo” que o sovina Sr. Maldonado (interpretado pelo ator Rodolfo Mayer), dono do imóvel, esconde, e passa a chantageá-lo. Apesar da atitude nem um pouco ética da personagem, o público torcia por final feliz pela trama de Dulcinéia, que protagonizava cenas do mais puro humor nonsense – como a memorável sequência em que Dulcinéia vai se exercitar em uma academia de ginástica. Digna de programas de humor.

Amores mal resolvidos completavam a novela, como o da vedete Pepita (Yoná Magalhães) e o malandro Téo (Fulvio Stefanini). Ainda a figura de Jaci (Wanda Stephania) uma mulher que se faz passar por homem para ter uma melhor colocação no mercado de trabalho, e tem que esconder seu amor por Zeca (Kito Junqueira) que passa a ajudá-la sem saber que “o” Jaci é na verdade “a” Jaci.

* Nilson Xavier é criador do site Teledramaturgia e autor do livro “Almanaque da Telenovela Brasileira”. Recentemente lançou também o Blog Noveludo.

Esta coluna é publicada todos os finais de semana no Zappiando.

Siga o Zappiando no twitter.com/Blog_Zappiando. Curta a nossa página no Facebook.

NILSON COMENTA “CARINHOSO”

*Por Nilson Xavier

O ano, eu não lembro ao certo, porque era pequeno. Não sei se foi em 1978 ou 1979, acompanhei à tarde à reprise da novela Carinhoso, originalmente apresentada em 1973. Minhas memórias sobre esta novela são poucas. Mas lembro que era romântica com alguns dos atores mais consagrados da época fazendo algo do tipo “troca-troca de pares”: Marcos Paulo, Regina Duarte, Herval Rossano, Débora Duarte, Claudio Marzo, Rosamaria Murtinho, Claudio Cavalcanti, Lucia Alves, Fulvio Stefanini. Todos devem ter flertado entre si pelo menos uma vez! [ironia mode on!].

Não era uma comédia romântica, como de praxe entre as novelas do horário das 7 no início dos anos 70. Era um drama. E como Regina Duarte – perfeita para este tipo de papel – sofria! Sofria por amor “à espera de um homem carinhoso” – como o narrado nas cenas do próximo capítulo. Amava o namoradinho de infância, um playboy inconsequente, interpretado por Marcos Paulo, e nem percebia o amor platônico do irmão certinho dele, Claudio Marzo. Desiludida amorosamente, se entregou em casamento ao pretendente gringo vivido por Herval Rossano. Mas foi infeliz, claro!

Veja o vídeo com cenas da novela

Do outro lado da história, outro quadrilátero amoroso: Fulvio Stefanini amava Rosamaria Murtinho, que amava Claudio Cavalcanti, que amava Lucia Alves… A novela fez muito sucesso, mas o próprio autor, Lauro César Muniz – em sua primeira novela na Globo – reconhece que em nada agregou, pois foi feita sob encomenda, para aproveitar o sucesso popular de Regina Duarte. Uma trama simplista, digna de romance tipo “Sabrina” – que aliás era o nome do filme no qual Lauro se baseou para escrever a novela.

Veja a abertura

Vídeos: Youtube

* Nilson Xavier é criador do site Teledramaturgia e autor do livro “Almanaque da Telenovela Brasileira”. Recentemente lançou também o Blog Noveludo.

Esta coluna é publicada todos os finais de semana no Zappiando.

Siga o Zappiando no twitter.com/Blog_Zappiando. Curta a nossa página no Facebook.

OS 10 ANOS DO FINAL DE “ROQUE SANTEIRO” NO VALE A PENA VER DE NOVO

Há 10 anos a novela “Roque Santeiro” se despedia do Vale a Pena Ver De Novo. Muitos telespectadores, como eu, assistiu a novela pela primeira vez nesta reprise na sessão.

“Roque Santeiro” entrou em cartaz em dezembro de 2000 como uma homenagem pelos 50 anos da Televisão Brasileira e pelos 35 anos da Rede Globo, 15 anos depois de sua exibição original.

Apesar da novela de Dias Gomes e Aguinaldo Silva ser a de maior audiência de toda a história da Teledramaturgia brasileira, a sua reprise não foi tão bem-sucedida, tendo média geral de 15 pontos. De modo particular, posso dizer que eu era telespectador assíduo da novela. Foi através desta súbita reprise, que pude conhecer famosos personagens como a Viuva Porcina, Sinhozinho Malta, Beato Salu, Zé das Medalhas, Dona Pombinha Abelha, Seu Flor, Matilde, Professor Astromar, Dona Mocinha, Padre Hipólito, entre outros. E me deliciei com a história dos moradores de Asa Branca, a cidade que não estava no mapa, conforme era dito nas chamadas.

Veja a cena final da novela:

 

Esta havia sido a 2ª reprise na novela. A primeira foi entre julho de 1991 e janeiro de 1992, no final da tarde.

Agora, quase 26 anos após a sua a exibição original e 10 anos após sua última reprise, “Roque Santeiro” volta ao ar no Canal VIVA, substituindo “Vale Tudo”, a partir de julho.

Veja o vídeo com a abertura:

 

Vídeos: Youtube

Siga o Zappiando no twitter.com/Blog_Zappiando. Curta a nossa página no Facebook.

Nuvem de tags